Inglês

 

                                                    Português

LANGUAGE LEARNING

APRENDIZADO DE LÍNGUAS

The expression "language learning" includes two clearly distinct, though rarely understood, concepts. One involves receiving information about the language, transforming it into knowledge through intellectual effort and storing it through memorization. The other involves developing the skill of interacting with foreigners to understand them and speak their language. The first concept is called "language learning," while the other is referred to as "language acquisition." These are separate ideas and we will show that neither is the consequence of the other.

The distinction between acquisition and learning is one of the hypotheses (the most important) established by the American Stephen Krashen in his highly regarded theory of foreign language acquisition known as the Natural Approach.

LANGUAGE ACQUISITION

Language acquisition refers to the process of natural assimilation, involving intuition and subconscious learning, which is the product of real interactions between people where the learner is an active participant. It is similar to the way children learn their native tongue, a process that produces functional skill in the spoken language without theoretical knowledge. It develops familiarity with the phonetic characteristics of the language as well as its structure and vocabulary, and is responsible for oral understanding, the capability for creative communication and for the identification of cultural values. Teaching and learning are viewed as activities that happen in a personal psychological plane. The acquisition approach praises the communicative act and develops self-confidence in the learner.

A classic example of language acquisition involves adolescents and young adults who live abroad for a year in an exchange program, attaining near native fluency, while knowing little about the language in the majority of cases. They have a good pronunciation without a notion of phonology, don't know what the perfect tense is, modal or phrasal verbs are, but they intuitively recognize and know how to use all the structures.

LANGUAGE LEARNING

The concept of language learning is linked to the traditional approach to the study of languages and today is still generally practiced in high schools worldwide. Attention is focused on the language in its written form and the objective is for the student to understand the structure and rules of the language through the application of intellect and logical deductive reasoning. The form is of greater importance than communication. Teaching and learning are technical and governed by a formal instructional plan with a predetermined syllabus. One studies the theory in the absence of the practical. One values the correct and represses the incorrect. There is little room for spontaneity. The teacher is an authority figure and the participation of the student is predominantly passive. In the teaching of English in Brazil , for example, the student will study the function of the interrogative and negative modes, irregular verbs, modals, etc. The student learns to construct sentences in the perfect tense, but only learns with difficulty when to use it. It's a progressive and cumulative process, normally tied to a preset syllabus that includes memorization of vocabulary. It seeks to transmit to the student knowledge about the language, its functioning and grammatical structure with its irregularities, its contrasts with the student's native language, knowledge that hopefully will produce the practical skills of understanding and speaking the language. This effort of accumulating knowledge becomes frustrating because of the lack of familiarity with the language.

Innumerable graduates with arts degrees in English are classic examples of language learning. They often are trained and theoretically able to teach a language that they can communicate in only with extreme difficulty.

INTERRELATIONSHIP BETWEEN ACQUISITION AND LEARNING AND ITS IMPLICATIONS

The clear understanding of the differences between acquisition and learning makes it possible to investigate their interrelationships as well as the implications for the teaching of languages.

First, we ought to consider that languages, in general, are complex, arbitrary, irregular phenomena, full of ambiguities, in constant random and uncontrollable evolution. Therefore, the grammatical structure of a language can be too complex and abstract to be categorized and defined by rules.

Even if some partial knowledge of the functioning of the language is reached, it is not easily transformed into communication skills. What happens in fact is a dependency predominantly opposite: to understand the functioning of a language as a system and to understand its irregularities is a function of familiarity with it. Rules and exceptions as well will make sense if we have already developed solid intuitive control of the language in its oral form, that is, when we have assimilated it.

Krashen admits that the knowledge obtained through formal study (language learning) can serve to monitor speaking. Krashen, however, doesn't specify the language that would be the object of study, but he was probably using the study of Spanish as the basis for his inferences and conclusions because it is the dominant foreign language in the United States , and particularly in the state of California , where Professor Krashen lives and works.

Therefore, it is necessary to explore the degrees of irregularity and difficulty of the target language and how that affects Krashen's theory.

THE DEGREE OF IRREGULARITY OF THE LANGUAGE AND THE SUPERIORITY OF ACQUISITION: It is obvious that the effectiveness of the monitoring function is directly proportional to the degree of regularity encountered in the language under study. If there is regularity, there can be a rule and such a rule will be useful to produce and monitor language. The smaller the regularity, the fewer the rules and more limited the monitoring.

Spanish shows a much higher degree of regularity when compared to English, especially in its almost perfect correlation between the written language and its pronunciation. Therefore, when interpreting Krashen's theory we can logically deduce that his conclusions concerning the superiority of acquisition over learning would be more emphatic if the object of study and analysis had been English as the target language instead of Spanish.

THE DEGREE OF PHONETIC SIGNALING IN THE LANGUAGE AND THE INEFFICIENCY OF LEARNING: It's also easy to assess the degree of phonetic signaling of languages and understand its importance. If we analyze and compare Spanish and Portuguese with English, we conclude that there is a significant difference, being English considerably more economical and compact than the Romance languages. This means a greater difficulty in achieving oral proficiency in the target language when going from Portuguese or Spanish to English than going the opposite direction. It also means that more time needs to be devoted to the practice of the spoken language (especially listening) and less time spent on the study of text and grammatical items.

WORD STRESSING: The unpredictability of word stressing in English and the absence of any indication of stress from spelling is another element to demonstrate that, in the Brazilian case, Krashen's arguments acquire even greater strength.

There are still many other points of contrast between English and Spanish that show the greater degree of irregularity and difficulty of English. The fact is that even with a target language with a large degree of regularity such as Spanish, the contribution of learning will only be effective and durable if the student simultaneously develops familiarity and skill with the language in natural environments.

FIRST IMPLICATION: INTROVERSION VS. EXTROVERSION IN LANGUAGE LEARNING

The effect of grammar knowledge on a person's linguistic performance depends significantly on that person's personality.

People who tend to be introverts, that show a lack of self-confidence or are perfectionists, will benefit little from understanding the language's structure and its irregularities. The result can be even the opposite, in the case of languages with a high degree of irregularity such as English. After years of English learning in high school and language schools, where natural deviations are classified as errors and are promptly corrected and repressed, the student who is insecure by his nature will develop a block that discourages spontaneity due to his awareness from experience that there is a high probability of making an error.

On the other hand, people who tend to be extroverts, who talk spontaneously, without thinking twice, also benefit little from learning. Their monitoring function is almost inoperative and subject to an impulsive personality that manifests itself without much concern with linguistic forms. The only ones who benefit from learning are people whose personalities are midway between introvert and extrovert, and manage to apply the monitoring function in a moderate and effective form. However, this monitoring will only function if there are three simultaneous conditions:

·                             Concern with form: The learner must be concerned with correctness of the linguistic form in addition to the content of the message.

·                             Knowledge of the rules: There must be a rule that applies to the case and the learner knows the rule and existing exceptions.

·                             Time availability: When producing language, the learner must have enough time to assess the alternatives provided by the applicable rules.

SECOND IMPLICATION: NATIVE VS. NON-NATIVE INSTRUCTOR

English teaching programs in Brazil are based on language learning and work predominately with the written language, strictly following a syllabus and having as a first objective transmitting information and knowledge. For this reason, non-native teachers with the experience of "already having walked down the same path," in general, have an advantage over native speakers.

In language acquisition, however, the primary goal is interaction between people, in which one functions as a facilitator and through which the other (learner) selects his own route building his skill in a direction that interests him personally or professionally. Instead of a syllabus, language acquisition programs offer human interaction. Here, the presence of genuine representatives of the language and culture that one hopes to assimilate is fundamental. Native instructors, therefore, have a clear advantage in a communicative approach, inspired by the concept of language acquisition.

Krashen finally concludes that language acquisition is more efficient than language learning for attaining functional skill in a foreign language, and that the efficient teaching of languages isn't that tied to a packaged course of structured lessons nor is the one that relies on technological resources. Efficient teaching is personalized, based on the personal skills of the facilitator in creating situations of real communication focusing on the student's interests and taking place in a bicultural environment.

 

A expressão "aprendizado de línguas" abrange dois conceitos claramente distintos, porém raramente compreendidos. Um deles é o de receber informações a respeito da língua, transformá-las em conhecimento através de esforço intelectual e acumular este conhecimento pelo exercício da memória. O outro refere-se ao desenvolvimento da habilidade funcional de interagir com estrangeiros, entendendo e falando sua língua. O primeiro conceito é denominado em inglês de language learning, enquanto que para o segundo, usa-se o termo language acquisition, sendo que um não é decorrência natural do outro como demonstramos a seguir.

A distinção entre acquisition e learning é uma das hipóteses (a mais importante) estabelecidas pelo norte-americano Stephen Krashen em sua respeitada teoria sobre aprendizado de línguas estrangeiras.

LANGUAGE ACQUISITION (ASSIMILAÇÃO)-

Language acquisition refere-se ao processo de assimilação natural, intuitivo, subconsciente, fruto de interação em situações reais de convívio humano, em que o aprendiz participa como sujeito ativo. É semelhante ao processo de assimilação da língua materna pelas crianças; processo este que produz habilidade prático-funcional sobre a língua falada e não conhecimento teórico; desenvolve familiaridade com a característica fonética da língua, sua estruturação e seu vocabulário; é responsável pelo entendimento oral, pela capacidade de comunicação criativa, e pela identificação de valores culturais. Ensino e aprendizado são vistos como atividades que ocorrem num plano pessoal-psicológico. Uma abordagem inspirada em acquisition valoriza o ato comunicativo e desenvolve a autoconfiança do aprendiz.

Exemplo clássico de language acquisition são os adolescentes e jovens adultos que residem no exterior durante um ano através de programas de intercâmbio cultural, atingindo um grau de fluência na língua estrangeira próximo ao da língua materna, porém, na maioria dos casos, sem nenhum conhecimento a respeito do idioma. Não têm sequer noções de fonologia, nem sabem o que é perfect tense, verbos modais, ou phrasal verbs embora saibam usá-los intuitivamente.

LANGUAGE LEARNING (ESTUDO FORMAL)

O conceito de language learning está ligado à abordagem tradicional ao ensino de línguas, assim como é ainda hoje geralmente praticada nas escolas de ensino médio. A atenção volta-se à língua na sua forma escrita e o objetivo é o entendimento pelo aluno da estrutura e das regras do idioma através de esforço intelectual e de sua capacidade dedutivo-lógica. A forma tem importância igual ou maior do que a comunicação. Ensino e aprendizado são vistos como atividades num plano técnico-didático delimitado por conteúdo. Ensina-se a teoria na ausência da prática. Valoriza-se o correto e reprime-se o incorreto. Há pouco lugar para espontaneidade. O professor assume o papel de autoridade no assunto e a participação do aluno é predominantemente passiva. No caso do inglês ensina-se por exemplo o funcionamento dos modos interrogativo e negativo, verbos irregulares, modais, etc. O aluno aprende a construir frases no perfect tense, mas dificilmente saberá quando usá-lo.

É um processo progressivo e cumulativo, normalmente atrelado a um plano didático predeterminado, que inclui memorização de vocabulário e tem por objetivo proporcionar conhecimento metalingüístico. Ou seja, transmite ao aluno conhecimento a respeito da língua estrangeira, de seu funcionamento e de sua estrutura gramatical com suas irregularidades, de seus contrastes em relação à língua materna, conhecimento este que espera-se venha a se transformar na habilidade prática de entender e falar essa língua. Este esforço de acumular conhecimento torna-se frustrante na razão direta da falta de familiaridade com a língua.

Exemplo clássico de language learning são os inúmeros graduados em letras, já habilitados porém ainda com extrema dificuldade em se comunicarem na língua que teoricamente poderiam ensinar.

-INTERRELAÇÃO ENTRE ACQUISITION E LEARNING E IMPLICAÇÕES

O claro entendimento das diferenças entre acquisition e learning possibilita investigar as suas interrelações bem como suas implicações no ensino de línguas.

Em primeiro lugar, devemos considerar que línguas, em geral, são fenômenos complexos, arbitrários, irregulares, repletos de ambigüidades, em constante evolução aleatória e incontrolável. Portanto, a estrutura gramatical de uma língua pode ser demasiadamente complexa e abstrata para ser categorizada e definida por regras.

Mesmo que algum conhecimento parcial do funcionamento da língua seja alcançado, o mesmo não se transforma em habilidade comunicativa. O que ocorre na verdade é uma dependência predominantemente contrária: compreender o funcionamento do idioma como um sistema e conhecer suas irregularidades, depende de familiaridade com o mesmo. Tanto regras como exceções só farão sentido e encontrarão ressonância quando já tivermos desenvolvido um certo controle intuitivo sobre o idioma na sua forma oral; só quando já o tivermos assimilado.

Krashen admite, por outro lado, que o conhecimento obtido através do estudo formal (language learning) pode servir para monitorar a fala. Krashen, entretanto, não especifica a língua que seria o objeto de estudo, mas é de se supor que estava se referindo e baseando suas inferências e conclusões no ensino de espanhol, cujo estudo e ocorrência como língua estrangeira predomina sobre outras línguas nos EUA e especialmente no estado da Califórnia, onde o Prof. Krashen reside e trabalha.

Torna-se portanto necessário investigar os graus de irregularidade e dificuldade da língua-alvo e como estes afetam a teoria de Krashen.

-O GRAU DE IRREGULARIDADE DA LÍNGUA E A SUPERIORIDADE DE ACQUISITION: É evidente que a eficácia da função de monitoramento da fala é diretamente proporcional ao grau de regularidade encontrado na língua objeto de estudo. Isto porque, havendo regularidade, poderemos estabelecer regras que serão úteis para o aprendiz produzir e monitorar sua linguagem. Por outro lado, quanto menor a regularidade, tanto menor o número de regras e a utilidade das mesmas, e mais limitada a possibilidade de monitoramento.

É notório o alto grau de regularidade de uma língua como espanhol, principalmente sua quase perfeita correlação entre ortografia e pronúncia, quando comparado ao inglês. Portanto, ao interpretarmos a teoria de Krashen, podemos logicamente deduzir que suas conclusões em relação à superioridade de acquisition sobre learning seriam mais enfáticas se seu objeto de estudo e análise tivesse sido o inglês como língua estrangeira ao invés do espanhol.

O GRAU DE SINALIZAÇÃO FONÉTICA DA LÍNGUA E A INEFICÁCIA DE LEARNING: É também fácil de se avaliar o grau de sinalização fonética das línguas e entender a importância que esse aspecto tem. Se analisarmos e compararmos o espanhol e o português com o inglês, observaremos uma grande diferença, sendo o inglês extremamente mais econômico e compacto do que as línguas latinas. Isto significa uma dificuldade superior de se alcançar proficiência oral na língua-alvo partindo do português ou do espanhol para o inglês, do que no sentido contrário. Significa também que mais tempo deve ser dedicado à prática oral e menos tempo desperdiçado com textos e estruturas gramaticais.

ACENTUAÇÃO TÔNICA: Some-se a isso a imprevisibilidade de acentuação tônica das palavras em inglês e a ausência de qualquer indicação ortográfica quanto ao acento tônico e teremos elementos mais do que suficientes para demonstrar que, na nossa realidade brasileira, os argumentos de Krashen adquirem força redobrada.

São muitos os aspectos que contrastam entre inglês e espanhol e demonstram um grau superior de irregularidade e dificuldade do inglês. O fato é que mesmo em se tratando de uma língua-alvo com um grau maior de regularidade como o espanhol, o monitoramento proporcionado por learning só será eficaz e duradouro se o aluno-aprendiz estiver desenvolvendo, em paralelo, sua familiaridade e sua habilidade com a língua em ambientes próprios.

PRIMEIRA IMPLICAÇÃO: INTROVERSÃO x EXTROVERSÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

O efeito do conhecimento gramatical sobre a performance lingüística da pessoa dependerá muito da característica de personalidade de cada um.

Pessoas que tendem à introversão, à falta de autoconfiança ou ao perfeccionismo, pouco se beneficiarão de um conhecimento da estrutura da língua e de suas irregularidades. O efeito pode ser contrário, no caso de uma língua com alto grau de irregularidade como o inglês. Com pouco ou nenhum contato com a língua falada e depois de anos de inglês inspirado em learning no ensino médio e nos cursinhos livres, onde desvios naturais de linguagem são classificados como "erros" e prontamente corrigidos e reprimidos, o aluno adquire consciência da alta probabilidade de se cometer erros com a língua. Para aqueles que por sua natureza são inseguros, isto representa um bloqueio que compromete a espontaneidade.

Por outro lado, pessoas que tendem à extroversão, a falar muito, de forma espontânea, às vezes impensada, também pouco se beneficiarão de learning, uma vez que a função de monitoramento é quase inoperante, está submetida a uma personalidade intempestiva que se manifesta sem maior cautela. Os únicos que se beneficiam de learning, são as pessoas cujas características de personalidade se situam num ponto intermediário entre a introversão e a extroversão, e que conseguem aplicar a função de monitoramento de forma moderada e eficaz. Mesmo assim, este monitoramento só funcionará se ocorrerem 3 condições simultaneamente:

·                      Preocupação com a forma: que a pessoa concentre atenção não apenas no ato da comunicação, no conteúdo da mensagem, mas também e principalmente na forma.

·                      Existência e conhecimento da regra: que haja uma regra que se aplique ao caso, e que a pessoa tenha conhecimento desta regra e possíveis exceções.

·                      Tempo suficiente: que a pessoa disponha de tempo suficiente para avaliar as alternativas com base nas regras incidentes.

SEGUNDA IMPLICAÇÃO: INSTRUTOR NATIVO x NÃO-NATIVO

Uma vez que programas de ensino baseados em language learning trabalham predominantemente com a língua na sua forma escrita, seguindo um plano didático e tendo como objetivo primeiro transmitir informações e conhecimento, professores não-nativos com sua experiência de "já terem percorrido o mesmo caminho", em geral, levam vantagem sobre os nativos.

Já em language acquisition, não há propriamente um professor, há, isto sim, interação humana entre pessoas, na qual um funciona como agente facilitador e através da qual o outro (aprendiz) escolhe seu próprio caminho construindo sua habilidade na direção de seus interesses pessoais ou profissionais. Ao invés de um plano didático, programas de language acquisition oferecem experiências de convívio. Aqui, a presença de representantes autênticos da língua e da cultura que se busca assimilar é fundamental. Instrutores nativos, portanto, levam larga vantagem numa abordagem comunicativa, inspirada pelo conceito de language acquisition.

Krashen finalmente conclui que language acquisition é mais eficaz do que language learning para se alcançar habilidade funcional na língua estrangeira, e que o ensino de línguas eficiente não é aquele atrelado a um pacote didático predeterminado nem aquele que utiliza recursos tecnológicos, mas sim aquele que é individualizado, em ambiente bicultural, que explora as habilidades pessoais do facilitador em criar situações de comunicação real voltadas às áreas de interesse do aluno

 

Autor da obra:

Ricardo Schütz

Nome original:

Language Acquisition -Language Learning

Endereço:

http://www.sk.com.br

Data:

15/08/08

 

            

 

IDIOMASTER - Rua Hilário de Gouveia, 66 sala 309 - Copacabana - Rio de Janeiro - Tel: (21) 3686-3333

Desenvolvido por : IDIOMASTERweb - Idiomaster Ó 2003